Hoje vinha no metro a cantarolar para dentro, esta musiquinha.
Eu sou do tempo, em que era fixe ouvir Onda Choc. Decorávamos as músicas tim tim por tim tim, para demonstrarmos como éramos perspicazes na cantoria.
Não entendia muito bem o significado do que cantava, mas só sabia que dava pinta. E Onda Choc era coisa de miúda muito à frente.

"Porquê que eu não me sinto contente...

Pensando bem já percebi
Fico triste quando tu não estás aqui
Para mim a solidão, vem com sumo de limão
Para eu deixar de estar assim
Só se tu pudesses vir ao pé de mim
E partilhar então o meu sumo de limão
E tu tão longe...
...
Porquê que eu não me sinto contente...
É verdade, que a vida me sorri
Mas só fico, feliz, quando estou junto a ti"


Bons tempos minha boa gente, bons tempos...

Histeria infantil

Coelha*


Vai um balde de iogurte. Vai um balde de iogurte.


Se a minha vida não dava um filme?, uma novela dava com toda a certeza.

Todo o meu quotidiano, é feito de episódios cómicos ou dramáticos, como uma verdadeira história digna de condecorações.

Hoje, o que me aconteceu? Perguntam vocês, ansiosíssimo e a darem pulinhos de emoção…

Ora foi o seguinte, estava eu no escritório, na pausa da manhã, para comer qualquer coisa, quando tiro o meu meio pãozinho (um é muito, para quem está com o rabo alapado o dia todo) e o meu super iogurte líquido. Agito o iogurte e retiro-lhe a tampa.

Ponho-me a falar com a minha colega de trabalho, e comer que é bom, nada.

Até que, me lembro, que tinha de encher o bandulho, senão o meu cérebro sem nutrição, não bombeava boa informação (até rimou), e toca a pegar no iogurte para lhe sacar um gole.

Mas antes disso, estou com ele na mão e decidi agitá-lo mais um pouco, como quem diz, com toda a força, para ficar bem agitadinho.

Resultado? Aquela porcaria já estava sem tampa.

Toda eu, me tornei num iogurte humano. Toda a minha papelada, estava embebida em iogurte. Todo o meu portátil, era iogurte eléctrico. Todo o chão – que é alcatifa cinzenta – estava em padrão vaca.

Em seguida, vem o patrão por lá dentro, e fica emocionado, com a forma original, que eu, pessoa de ideias brilhantes, tinha decorado o espaço. Estava como novo!

Levei gozo o dia todo, e fui motivo de risota para todos e para mim.


Há coisas fantásticas não há? Assim, tipo… eu? =)


Histeria do iogurte saltitão


Coelha*

Com azia. Muita. Bastante. Camiões de azia. Rajadas de azia. Paletes. Azia, muita azia.
A vida é fodida...

Coelha*


Detesto estar num sítio, e reparar que há alguém, que traz algo vestido igual a mim. Sim é foleiro, e uma pessoa fica a pensar mesmo "Sua grande porca!".

Mas que posso eu querer, se vou comprar roupa à Zara, H&M, Blanco e por aí adiante?

Não vale de nada rezar, para que este tipo de coisas, não aconteçam. Porque acontecem mesmo, e várias vezes.

Isto tudo, porque ontem o meu Cherry, me comunica "Fulaninha, anda aqui no estaleiro a passear-se com uns botins iguaizinhos aos teus.".

Fiquei logo com azia e como é claro, o que ele mais queria era ver a minha reacção... mas que posso eu fazer? Que faça bom proveito, tal como eu, já que não lhe posso arrancar os botins a choques eléctricos, só me resta habituar-me a isto...

Mas um dia hei-de ser grande, e hei-de ter roupa que ninguém tem! Ou não...



Histeria dos clones em roupa



Coelha*

A única coisa, que me pode deixar bem disposta pela manhã, é ouvir A Caderneta de Cromos, com o Nuno Markl na Rádio Comercial. Acreditem... é mesmo verdade.

Coelha*
Tenho a dizer-vos, que só vos venho falar agora, porque segundos antes, estava vai não vai para cair de queixos no teclado, tal é a minha pedrada...
Devia ser proibido trabalhar de manhã! E à tarde... e à noite.
Não há direito, uma gaja porreira como eu, deveria ser multi-milionária, e poder passar os dias a fazer compras, nas massagens, nos ginásios e tudo e tudo e tudo.
Ser fixe não compensa...

Histeria do teclar por favor

Coelha*

Sabem o que aguça o romantismo?

Ouvir mal! Sim, leram bem...

Estarmos num momento de puro mimo e de troca de palavras doces ao ouvido, e ter de estar sempre a palrar "Repete, não ouvi.", torna tudo bem mais especial.
Os meus ouvidos são tão amorosos, que só não lhes dou beijinhos, porque não chego lá com a boca...


Histeria surda


Coelha*

Sabe-me tão bem, ficar no sofá, com a manta a tapar-me os joelhos, e a entupir-me de queijo com compota de maçãããããã... É que é bom, bom, bom!


Coelha*
Coisas com mais idade que eu, mas que ninguém diz.
Este super casaco de pele (não me perguntem qual é a pele, porque nesta matéria sou uma nulidade, e feita burra não tentei apurar), tem a minha idade, e não vai muito tempo, e eu achava-o tenebroso. Achava também, inacreditável, já se ter usado um dia. Agora está mais que na moda, o padrão e o corte! Agradeço ao baú de família e a quem não tomou a iniciativa de o doar, porque agora?, eu posso fazer um brilharete com ele vestido.


O meu vício por dourados, levou-me ao baú das coisas com história da família, porque procurava com urgência uns brincos dourados, para usar num jantar, quando apanhei estes, que achei demasiado fofos. Fiquei mais que espantada, quando a minha super tia, me disse, que pertenceram à minha visa avó. Logo, pelas contas que fizemos, devem ter mais de cem anos. O valor está na história dos mesmo, e sinto-me orgulhosa por trazê-los nas orelhas, por tempo indeterminado.

Esta pochete, em veludo preto e dourada, também tem mais idade que eu, e é da minha avó, que a comprou há umas décadas atrás, para levá-la a um casamento, pois eu, também já a usei numa série de situações, porque a acho mais que actual.


E é isto... ainda encontrei por engano umas coisas giras, e que por sinal, me têm feito um jeitaço que só visto... Gostaram?

P.S: Relativamente à qualidade das imagens, já sabem qual é o problema, e só tenho a pedir desculpa.

Histeria da história da família em peças


Coelha*

Fizeste-me ganhar asas.
Tornaste-te no meu príncipe.
Mostraste-me como a vida pode ser simples mas doce.
Encheste-me de vida com o teu amor.
Enfeitiçaste-me com as palavras mágicas.
O teu beijo mudou-me.
Completaste-me.
Abraças-me como sinal de protecção.
E fazes-me sentir um ser especial por te ter do meu lado.


Coelha*


Alguma alma caridosa, me sabe dizer, aonde é que posso encontrar uma coisa destas?
E já agora, se não é pedir muito, sabem me dizer quanto custará esta futilidade?
É que, já lá vai muito tempo, que eu tenho mesmo muita vontade de adquirir um relógio destes, logo posso concluir, que se o conseguisse, seria uma gaja muito mais feliz... não concordam?

Ajudem-me! Onde está o Casio?


Histeria da comichão do consumismo


Coelha*
É sexta-feira! Já não consigo parar de pensar no fim-de-semana...
Estou a precisar, acreditem mesmo que sim.

Vá, bora lá trabalhar mais um bocadinho, que às 18h já me ponho a monte daqui.

Coelha*
Uma notícia pertinente que ouvi, é que a crise, também está a afectar a vida sexual dos portugueses.
Ahhhhhh, então é a crise. Ahhhhhh, então o pessoal anda com falta de sexo. Ahhhhhh entãããão é isso!
É que basta sair à rua e visualizar as expressões de insatisfação, dos portugas. Realmente ter poucos trocos no bolso e pouca festa em casa, é tramado, se é!

Conselho de Coelha: Minha boa gente, pratiquem sexo para a frente, enquanto não há nenhum imposto sobre tal feito, porque da maneira que isto está, até para se dar um peidinho vai ser necessário sacar de uma moedinha para mandar para o Estado. Não aproveitem enquanto é de borla não, depois não se queixem!

Histeria fria

Coelha*
Hoje, estava eu a fazer o meu humilde trabalho, quando sou interrompida pela seguinte notícia – não foi assim textual, mas era este o conteúdo“Uma possível medida do Governo, passará, por colocar os beneficiários do Rendimento de Inserção Social, juntamente com os reclusos, a limpar as matas.”.

Comecei-me a rir às gargalhadas, como uma parvalhona, e não consegui ouvir o resto.
Isto é mesmo verdade? Respondam-me, porque se for, já tenho assunto para os próximos tempos.



Histeria da novidade incógnita



Coelha*


Conversas da parvalheira:


-Ela gozou com o sois…

- Ai sim?

-Como se estivesse errado… Ora diz lá o verbo ser… Eu sou, Tu és, Ele é, Nós somos, Vós?

- Soides!

- Vós, o quê?

- Soides! Na aldeia as pessoas dizem assim…



Coelha*

Vou partilhar convosco, este e-mail que me enviaram. Sim, fez-me rir!

"Na minha próxima vida, quero viver de trás para a frente. Começar morto, para despachar logo o assunto. Depois, acordar num lar de idosos e ir-me sentindo melhor a cada dia que passa. Ser expulso porque estou demasiado saudável, ir receber a reforma e começar a trabalhar, recebendo logo um relógio de ouro no primeiro dia. Trabalhar 40 anos, cada vez mais desenvolto e saudável, até ser jovem o suficiente para entrar na faculdade, embebedar-me diariamente e ser bastante promíscuo. E depois, estar pronto para o secundário e para o primário, antes de me tornar criança e só brincar, sem responsabilidades. Aí torno-me um bébé inocente até nascer. Por fim, passo nove meses flutuando num "spa" de luxo, com aquecimento central, serviço de quarto à disposição e com um espaço maior por cada dia que passa, e depois - "Voilá!" - desapareço num orgasmo ..."

Coelha*

Conclusão da noite de ontem:
->Os bons sentimentos, tornam-nos efectivamente, seres bem mais especiais.


E eu sinto-me tããããão especial hoje. Ai, "Estou na lua, não me chateiem que eu agora estou na lua..."

P.S: Não sei porque razão, hoje, estou virada para as cantorias, mas há com toda a certeza, quem consiga explicar este facto, que não é indecifrável...


Coelha*

Olha, que colar mais lindo, mais cheio de graça
Toda a gente olha, quando a Coelha passa...
Não há nada a fazer, é mais uma dresgraçaaaaa! (€)


Coelha*

Então ontem, houve luta livre entre os sportinguistas? Que giro!
Podiam bem ter avisado, que eu até pagava bilhete para ter assistido... desde que me oferecessem também umas pipoquinhas, assim era a sessão perfeita!

Histeria dos lagartos ao molho e fé em Deus

Coelha*
Há certas e determinadas pessoas, que sabem exactamente quando devem aparecer, que é no momento em que não deviam.

Coelha*

Eu e os outros. É assunto, que dá pano para mangas.

Passei a minha vida, a mudar a minha forma de ver os outros e a forma de ver as coisas. Passei a minha vida a chorar pelo que não tinha e a tratar mal o que tinha, inconscientemente. Passei a minha vida, a arrepender-me das injustiças que cometi com os outros e nunca com as injustiças que cometeram comigo.

Na realidade, sempre tive uma visão muito auto-crítica, que me fazia ver com muita clareza os meus erros, mas com dificuldade, eu interiorizava os erros dos outros.

Sei que sou de trato difícil, e admito que já cometi muitas falhas que me fizeram chorar lágrimas de sangue, mas acho que já chorei o suficiente.

Tenho algo em mim, que me penaliza por cada erro que cometo. Ou seja, eu acho que devo sofrer e pagar pelas coisas erradas que faço, e sofro e pago com o meu total consentimento.

Fico na merda, e deixo-me estar assim… sem esperança que as coisas mudem.

Como se a minha auto-penalização me fizesse acreditar, que assim, talvez um dia eu voltasse a merecer a sorte, que recusei com as minhas falhas.

A minha avó diz, que esta minha forma de ver as coisas, só demonstra, que não sou má de todo. Mas nunca entendi muito bem, o que significava esta minha obrigatória maneira de agir.

Afastei-me das minhas penitências há pouco tempo. Decidi ser feliz e aproveitar a oportunidade que a vida me deu novamente. Continuo-me a questionar se a mereço, ou se não passa de uma rasteira da sorte, para me fazer querer que estou bem, e em seguida me penalizar mais um pouco.

Mas independentemente do que isto significar, eu não faço intenções de recuar para sofrimentos passados, pois esses, já são casos mais que perdidos.

Hoje em conversa com o “meu” patrão, ele disse uma coisa acertada “A vida é um filme que é gravado à primeira. Não há hipóteses de ensaio e de repetição. Cada decisão condiciona o desenrolar do mesmo. Não adianta de nada, ficarmos a pensar no porquê das acções, se não as podemos mudar. “.

Não podemos mudar o passado, mas podemos sempre não repetir acções do passado no futuro, e eu não quero tornar a minha vida num ciclo vicioso.


E por hoje é isto…


Histeria do meu parecer


Coelha*

Este sol dá-me uma moleza... é que nem consigo pensar!
Dias de calor, não são produtivos está mais que visto...

Coelha*


Ah ah ah ah. Os botins ainda não estão disponíveis no site, mas encontrei-os numa das fotos.

Espero que dê para ver melhor. São giros não são?


Coelha*



No sábado já andei com as meias acima do joelho, e é acontecimento a repetir, porque achei o máximo.

A mãe Coelha deu-me uma série de meias. Como já disse aqui, há que aproveitar a onda de caridade, não vá ela decidir cortar-me as asas.

Ficou giro não ficou??

E os botins? Não são bonitos? Outra prenda da mamã. A qualidade da imagem não é das melhores, e como estes ainda não são parte integrante do site da Zara, vai ter de ficar esta foto.

E é isto!

Histeria do histerismo feliz


Coelha*

Aiii que maravilha boa gente... Há trabalho! Há o que fazer por aqui!
Nunca pensei dizer isto, mas é maravilhoso!
Estava difícil...

Histeria da satisfação

Coelha*

A mãe Coelha deu-me e eu gostei muito.

Há que aproveitar a onda generosa da progenitora, porque isto não é todos os dias!



Coelha*



Como é que neste país de cabrões, ainda há coragem, de se falar em planos de austeridade - que só prejudicam o pequeno - quando se continuam a oferecer milhões! Milhões esses, que são provenientes do suor dos poucos que trabalham neste país, que são simplesmente oferecidos por simpatia a corruptos, que se aproveitam desta história da crise, para sugar dinheiro público, para depois logo em seguida virem com pedidos de insolvência e mandar centenas de empregados para a rua?

Esta merda está-me a deixar louca! E os credores? Que se endividaram para cobrir os pedidos destas grandes empresas e que ficaram com uma mão à frente e outra atrás, estando agora em risco de abrir falência?

E os milhões que lá foram injectados do Estado? Já que não serviram para pagar aos credores e soldar dividas, para manter a empresa de pé, onde foram parar?

Esta gente não é presa?

Se eu for ali à mercearia da esquina e decidir roubar um pacote de bolachas e o senhor polícia me apanhar, leva-me para a choça, e esta gente continua a exibir sinais de riqueza depois deste buraco todo?

Quando é que alguém se revolta neste país? Quando é que esta gente é toda presa e bem punida por andar a brincar com a vida de tanta gente?

Estou a falar da empresa onde estagiei no ano passado, e ler as notícias dos jornais, e ouvir os relatos de todos os trabalhadores que vieram embora sem receberem os seus direitos, fico extremamente incomodada.

Se for pedir ajuda para abrir um negócio, põem-me uma série de entraves e a probabilidade de levar um Sim, é ínfima, e estes cabrões sacam 5 milhões de euros ao Estado, levam outras empresas à falência e não vão presos?

Não me venham com a história da crise, porque empresas com um historial destes, e com a montanha de trabalho que tinha, não ia ficar a dever 60 milhões de euros à banca e a credores desta forma.


É muito triste, é vergonhoso!


E mais nojento, é ligar a porcaria da televisão e ver o badolhoco do Teixeira do Santos a cuspir “Se vamos, subir os impostos, é porque o país necessita de receitas!”. Pois precisa meu F.D.P. precisa para muita gente continuar a mamar enquanto muitos?, cada vez têm menos trocos para contar.


País de porcos de merda! Estou com vontade de cuspir na bandeira e fugir daqui!



Coelha*

Mais pesquisas interessantes feitas na Google, que deram origem a visitas à Histeria.

-> gosto de ser fodida

Ora nem mais minha amiga, é esse o espírito! Desde que tenha quem a foda, força nisso! Foda para a frente que só lhe faz bem à saúde...

Este blogue é mais que didáctico, não duvidem disso.

Coelha*
É tão bom, estar no estágio e não ter nada para fazer (ou não).
Porque motivo, eu me fui lembrar um dia, de me meter nesta área? Minha gente, eu nao fui feita para estar fechada num escritório a olhar para um computador. É que não mesmo.
Mas porque motivo, fui eu descobrir isto agora?

Bem, vou esperar que o trabalho chova, senão morro burra dentro deste espaço.

Histeria nao é sinónimo de tédio

Coelha*


Porque cenários apaixonantes, ricos em momentos intensos e juras de amor, adoçam a mente a qualquer mulher…

Eu hoje?, sinto-me a mais feliz do mundo!


Coelha*


Conversas…


Mãe Coelha: Tu amanhã não começas o estágio?

Coelha: Sim começo…

M. C. : E vais com essa cor nas unhas?

C: Sim vou…

M. C. : Não vás… É que pode parecer mal…

C: Claro que vou…

M. C. : Oh… Não vás!

C: Vou…

M. C. : Olha vai! Tu é que sabes!

C: Sei…



Coelha*


Estive a assistir um pouco, daquele programa que é uma espécie de Big Brother, mas que não se chama Big Brother para parecer diferente, mas que no fundo não deixa de ser a mesma merda e que agora se dá pelo nome Secret Story.

A TVI vai passar a ser um canal adicional? Daqueles que se tem de pagar um valor extra para podermos tê-lo na nossa lista de canais?

É que as meninas e os meninos que integram este programa, parecem mesmo que foram arrancados de um bar de strip, ou de uma editora de filmes pornográficos à força.


Que gente foleira e burra meu deus.

Portugal no seu melhor… como sempre!



Histeria das constatações realistas


Coelha*



Pensamento do dia:

"Purifica o teu coração antes de permitires que o amor entre nele, pois até o mel mais doce azeda num recipiente sujo."

Pitagoras


Isto tudo, porque eu estou uma gaja reduzida à intolerância.

Não sou mais a Coelha tolerante de à uns anos, sorridente até à exaustão, que tentava medir as coisas que jorrava pela boca fora, que tentava compreender… e por aí em diante!

Hoje considero-me muito mais intolerante do que já era. Ora eu só posso concluir uma coisa…

Ou rodeio-me de pessoas com feitios completamente compatíveis com o meu – que eu sei que as há, pois já fizeram parte da minha realidade como Coelha – ou então só me resta uma coisa a fazer…

Enfio-me num meio do monte, e ponho-me a falar com as plantinhas até ao fim dos meus dias.


Que onda negra que anda em cima desta cabeça – peço desculpa pelo termo, mas vai ter de ser – foda-se! Foda-se, foda-se e foda-se!

De que me queixo eu?

Ando inquieta, completamente cheia de traumas a assombrarem-me a merda da cabeça!



Vou ali meter os dedos à goela para ver se alivio a tenção…



Coelha*



Sinto-me estranha. Sinto-me insegura.

Já não é a primeira vez, que falo nisto, com uma amiga minha, é que realmente?, nunca me senti assim.

E depois fico melancólica, com os meus pensamentos desmotivadores, com todos os fantasmas que me assombram a cabeça, dá-me vontade de chorar, sinto-me triste com o mundo onde vivo, e descrente das pessoas que nele habitam, por mais que me tentem provar que devo ter esperança.

Estou num estado que desconheço, nunca me encontrei assim. Não sei se é da maldita TPM – há quem atire as culpas todas para esta maldita fase – ou se é mesmo desta minha cabeça que só produz coisas más ultimamente.

Tenho momentos que só tenho vontade de tirar umas férias longe daqui, longe de tudo e de todos, e procurar respostas, procurar segurança em mim e no que acredito, porque sinceramente?, já nem sei no que acredito…

Agora vou-me deitar, porque minutos antes tive para virar o barco e agora tenho uma enxaqueca a dar-me cabo do juízo.

Histeria da má disposição

Coelha*


Sabem quando andamos, vai-não-vai com uma pessoa, a ver no que aquilo vai dar, sem saber muito bem qual será o fim?

É aquele tipo de situações, que normalmente não dão em nada, e que com o tempo, até nos esquecemos que existiram com extrema facilidade.

Para aí há uns quatro anos, tive uma paixoneta passageira, que passado nem meia dúzia de semanas, vi, que a personagem não era para mim. Cada um foi para o seu lado, com uma rapidez reconfortante.

A verdade é que a pessoa em questão, não lidou bem com a situação, e nunca mais me falou. Às vezes encontro-o, e põe-se a olhar para mim como se tivesse a visualizar o diabo, e não me dirige a palavra. Eu ajo como se nada se passasse, mas na verdade acho de mau gosto este tipo de atitudes, vindas de um homem adulto com barba rija há já alguns anos.


Agora, para me atormentar a paciência, quem me chateia? O irmão.
Deve ser mal de família, ou eu tenho alguma substância que mexe com o código genético daquela gente.

Histeria do desabafo


Coelha*


E saias compridas? Gostam? Vão aderir?

Na sexta, estive quase, quase para comprar uma, mas depois adiei a vontade… Ainda estou meia indecisa.


Histeria do consumo


Coelha*


















Estas fotos também foram tiradas com o meu bicho telefónico, mas penso que a qualidade não está má de todo... Dá para entender o que se passou, correcto?

Bem, já vos mostrei tudo... agora?, vou pôr os meus pés de molho, porque acreditem que estão feitos num 8!

Coelha*

video video video

Aqui fica um cheirinho, do que se sentiu ontem em Coimbra. A qualidade não é a melhor, porque mais uma vez, a única coisa que levei comigo para registar o momento, foi o meu bicho telefónico...

Para já, só tenho a dizer que adorei. Adorei, adorei e adorei!

Espero mesmo, ter outra oportunidade de ver U2!

Coelha*



Amanhã rumo em direcção a Coimbra para ir ver os meus – e do povo – U2!

Estou tããããããão feliiiiiiiiz! Vou chorar muito de alegria! Vou ver se lhes tiro umas fotos para depois postar aqui.

Se alguém aqui da casa, também for e me vir no meio daquela confusão doida, é favor me vir dar dois beijinhos que a Coelha ficaria ainda mais feliz.



Histeria da loucura total


Coelha*



Tantos exames, que nós mulheres, temos de fazer à nossa amiga vagina.

É um mostrar do nosso bem preciso a médicos e enfermeiros, que é um fartote.

Até nisto a mulher tem mais problemas que o homem. Os homens andam sempre a fazer exames à pila? Não pois não?

Ah pois é… Mas depois, têm um, que vale por todos! Toca a meter o dedinho no rabo, para ver como está a próstata e para testar os vais valentes. Ahahahah, não se esqueçam disso, meus queridos!

Matutem bem no assunto, chorem muito só de pensarem na lesão anal e psicológica com que vão ficar nessa altura, enquanto eu?, vou ali mostrar a minha vagina a mais um médico e já venho…


Histeria vaginal

Coelha*

Back to Home Back to Top