Este país está-se a tornar um local inabitável para quem tem cabeça para pensar.

Congelamento dos salários na função pública?
Eu entendo, que o povo sempre se tenha queixado da função pública, e daí as extremas piadas do associar esta classe ao encontrarem-se debaixo da sombra da bananeira.
Todos sempre soubemos das facilidades que tinham em vários aspectos. E as conversas de café rodavam normalmente em volta deste assunto, e da pouca penalização que era dada a estes trabalhadores quando sempre se falou em crise.
Até que veio o Engenheiro Sócrates (engenheiro como que diz), e toca a dar umas facadinhas na função pública. Nesta altura foi notória a satisfação daqueles que sempre desejaram esta situação.
Mas a verdade, pensando bem… A função pública, que representava a suposta classe média, que ainda continham algum poder de compra e que fazia girar esta merda de país, agora a maior parte já pensa duas vezes em meter-se em despesas. E agora para a regularização do défice vêm falar do congelamento de salários?
E se viessem falar, na maior fiscalização para os GRANDES que fogem aos impostos descaradamente, enquanto os pequenos pagam e nem piam?
Se começassem a tomar mais atenção a estes aspectos talvez fosse possível regular o défice sem afectar de novo a função pública.
Ou então, se acabassem com a mama para aqueles que passam a vida nos cafés com o maço de tabaco no bolso, enquanto lhes é depositado o chamado Rendimento de Inserção Social, enquanto outros se matam a trabalhar para pagarem as contas?
Mas que é isto? E depois ainda ouvimos estas pessoas, a gabarem-se descaradamente em público, do que recebem mensalmente, e que não fazem a mínima questão de trabalhar. Tudo isto dito nas barbas de quem trabalha! E bem temos de nos calar, senão ainda estamos sujeitos a arranjar uma confusão com esse tipo de gente.
Agora eu pergunto-me… E quando esta merda arrebentar pelas costuras e o saldo de trabalhadores for negativo em relação ao saldo de encostas? E não podermos continuar com a mama para estes parasitas nojentos?
Vamos obriga-los a trabalhar? Como?
Esta gente nunca trabalhou na vida. Nunca soube o que era acordar cedo para cumprir horários, nunca soube o que era trabalhar para em troca receber o seu sustento.
E depois? Criminalidade?

“Então eu nunca trabalhei para ter dinheiro, e agora vou trabalhar por alma de quem? Mas é que nem pensar! Tramamos os otários que ainda acreditam no Pai Natal, roubando-os!”.

Quem já tem o seu curso, e é jovem… Pensem bem se será bom manterem-se neste país de merda, onde as perspectivas futuras passam pelo desemprego.
Histeria da revolta
.
Coelha*

9 Não reclamas?:

Otário disse...
7 de março de 2010 às 14:29

estava eu para te seguir moça,
e retiras.te a placa dos seguidores... bem estava estranhando que isto por cá dava sempre erro ;)

Nuno disse...
7 de março de 2010 às 14:48

Coelha, obrigado pela tua visita e pelo teu comentário.

Compreendo perfeitamente a tua indignação. Eu não estou contra o Rendimento de Inserção Social, mas não nos moldes actuais. O que está a acontecer actualmente é estarmos a alimentar parasitas da sociedade. Com isso eu não posso concordar!

FMF disse...
7 de março de 2010 às 17:13

Cara Kandimba,
O socialismo custa muito dinheiro. Os socialistas não sabem criar riqueza. Sabem, e bem (bom, isto já é boa vontade), é distribuí-la. Nestes termos, aos rapazes só lhes resta irem depenando, sempre muito socialmente, os mesmos de sempre.
Saudações rosas

marie disse...
7 de março de 2010 às 20:05

Já foi mais que uma vez que pensei em dar de frosques. Mas a questão é: Vou para onde e fazer o que? :S

País da treta. :s

Bjinho **

Só Avulso disse...
7 de março de 2010 às 21:02

Sair do país já me passou pela cabeça mas depois vem sempre aquela réstia de esperança me confundir e vou ficando à espera... de que tudo melhore.
Sou mesmo ingénua, não sou? :)

beijinhos***

Ines C. disse...
7 de março de 2010 às 21:04

loved your blog! segui-lo-ei. bj

a strange girl disse...
8 de março de 2010 às 00:41

Eu não diria melhor! concordo plenamente contigo!
e espero não ficar sem o meu subsídio de férias :( pq o sócrates de certeza q não vai ficar sem o dele!!

Valmeu disse...
8 de março de 2010 às 15:35

tem selinho pra vc la no meu blog...
bjsss

Luís Gonçalves Ferreira disse...
9 de março de 2010 às 00:46

É assim: A Administração Pública tem, nada mais nada menos, do que 500 mil funcionários. Meio milhão de pessoas. É uma quantidade imensa de gente que não trabalha por objectivos e maior parte deles tem trabalho vitalício até ao final da vida. Esquecem-se, muitos deles, que estão a prestar um serviço público em que o alvo são pessoas cuja base de trabalho deve ser respeitada e não fazer de conta que aparecem ali meia-dúzia de chatos num balcão a pedir umas coisas. Isto é inegável. Num país com 10% de desemprego, com níveis crónicos de endividamento, com o sector privado todo estrangulado de impostos, não me parece justo que, para quem tem trabalho para a vida (excepção feita às nossas aquisições do sector público, porque o regime foi alterado) e com regimes de saúde hiper privilegiados, que não aceitem congelamento de salários. Parece-me incrível que se aceitem mal sacrifícios a conviver num país em período de crise. Nos privados não se avisam congelamentos, apenas se despede. E ficam empréstimos por pagar e filhos por alimentar. Tudo porque o Estado-empregador/prestador de serviços não acaba. Nem nunca acabará. Mas também não existi hiper endividado.

Back to Home Back to Top